Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
© DR

Mais 61 internados, 26.419 novos infetados e 22 mortes

Segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde hoje divulgado, Portugal regista mais 61 pessoas internadas com covid-19, num total de 1.449, 26.419 novos casos de infeção e 22 mortes nas últimas 24 horas

-PUB-

Em unidades de cuidados intensivos, encontram-se internados 150, menos três do que no sábado. Os novos casos diários de infeção baixaram de 31.541, no sábado, para 26.419, totalizando 1.639.846 confirmados desde o início da pandemia em Portugal.

Destes, 273.961 encontram-se ativos (mais 15.639), 1.346.772 recuperaram (mais 10.758) e 19.113 morreram (mais 22), encontrando-se em vigilância 224.673 contactos, mais 6.404 por comparação a sábado. Das 22 mortes, 11 ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, quatro no Norte e duas no Centro, no Alentejo e no Algarve e uma na Madeira.

A covid-19 é mais mortal nos homens (10.053) do que nas mulheres (9.060) e continua a atingir mais as faixas etárias acima dos 80 anos (cerca de 12.000 pessoas), dos 70 aos 79 anos (cerca de 4.000) e dos 60 aos 69 anos (cerca de 2.000).

A infeção pelo SARS-CoV-2 atinge também mais homens (769.003) do que mulheres (869.091), havendo 1.752 casos de sexo desconhecido, que estão sob investigação pela DGS, uma vez que esses dados não são comunicados de forma automática.

Por idades, o vírus SARS-CoV-2 já infetou cerca de 100.000 crianças até aos nove anos, cerca de 180.000 jovens dos 10 aos 19 anos, cerca de 270.000 dos 20 aos 29 anos, cerca de 245.000 pessoas dos 30 aos 39 anos, cerca de 270.000 dos 40 aos 49 anos, cerca de 225.000 dos 50 aos 59 anos, cerca de 145.000 dos 60 aos 69 anos, cerca de 85.000 dos 70 aos 79 anos e cerca de 90.000 com mais de 80 anos.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.