Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Mais de 90 concelhos em risco máximo de incêndio

Dos concelhos colocados em risco pelo IPMA, alguns são dos distritos de Bragança e Vila Real.

PUB

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou mais de 90 concelhos dos distritos de Faro, Santarém, Portalegre, Castelo Branco, Leiria, Coimbra, Guarda, Viseu, Bragança e Vila Real em risco máximo de incêndio.

O IPMA colocou também vários concelhos de todos os distritos do continente (18) em risco muito elevado e elevado de incêndio, algo que vai manter-se, pelo menos, até quinta-feira.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo que os cálculos são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Por causa do tempo quente, o IPMA colocou as regiões montanhosas da ilha da Madeira sob aviso vermelho até às 18:00 de terça-feira.

As costas sul e norte da Madeira e o Porto Santo encontram-se sob aviso laranja devido à persistência de valores extremamente elevados da temperatura máxima até terça-feira.

Também devido ao tempo quente, o IPMA colocou sob aviso laranja o distrito de Faro até às 18:00 de hoje.

Os distritos de Beja, Évora, Castelo Branco, Portalegre, Guarda, Bragança, Vila Real e Braga sob aviso amarelo também devido ao tempo quente até às 18:00 de hoje.

O IPMA prevê para hoje no continente continuação de tempo quente com céu geralmente limpo, apresentando-se temporariamente nublado em alguns locais do litoral Centro até ao início da manhã.

As temperaturas mínimas vão oscilar entre os 13 graus Celsius (em Bragança, Porto e Leiria) e os 24 (em Faro) e as máximas entre os 24 (em Aveiro) e os 40 (em Faro).

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.