Domingo, 22 de Maio de 2022

Milhares de fiéis acompanharam em silêncio a Procissão do Senhor morto

Em silêncio absoluto, a imponente Procissão do Senhor morto voltou a sair da Igreja das Chagas para levar pelas ruas da cidade de Lamego o esquife do Senhor morto.

Esta procissão noturna constitui a última grande encenação da Semana Santa.

Dois anos depois, uma imensa multidão voltou a encher as principais ruas para sentir a Páscoa e a emoção do cortejo religioso que recria a morte e a deposição de Jesus. A mais solene e comovente das manifestações religiosas da Semana Santa foi presidida por D. António Couto, Bispo da Diocese de Lamego que pronunciou, no final, o Sermão do Senhor Morto.

No dia em que os cristãos recordam o julgamento, a paixão, a crucificação, a morte e o enterro de Jesus Cristo, o manto de silêncio que imperou durante a marcha realizada na noite de Sexta-Feira Santa, foi apenas interrompido pelo som áspero das tradicionais matracas e dos acordes fúnebres da Banda Filarmónica de Magueija.

Como é tradição, os Irmãos da Santa Casa da Misericórdia de Lamego acompanharam a procissão vestindo as suas “opas” e de cabeça coberta, em sinal de luto.

Na noite anterior, também participaram na Procissão das Sete Bandeiras – Sete Tribunais que partiu da Igreja das Chagas. Este templo religioso acolheu ainda no Domingo de Ramos, a cerimónia de Bênção dos Ramos, antes da Procissão desfilar em direção à Igreja Matriz de Almacave.

Em respeito por esta secular tradição, a Misericórdia de Lamego é um relevante parceiro institucional da programação da Semana Santa que conjuga elementos da liturgia e da religiosidade popular.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

Homem encontrado morto em casa

PREMIUM

Um lar a que todos chamam casa

Homem morre em colisão

Homem morre afogado em Valdanta

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.