Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Portugal é o sétimo país menos competitivo da União Europeia

No último Ranking de Competitividade Mundial, um relatório produzido anualmente pela prestigiada escola de gestão suíça IMD (Institute for Management Development), deixa alguns avisos a Portugal, após cair da 36.ª posição para a 42.ª, num estudo que contempla 63 países. É o 7.º país menos competitivo da União Europeia.

PUB

Em 20 dimensões de análise do Ranking Global de Competitividade, Portugal está na segunda metade da tabela em 12 delas. Os pontos mais fracos do país são a política fiscal (56.ª posição), as práticas de gestão (56.ª posição), a economia doméstica (52.ª posição) e as finanças públicas (50.ª posição). Portugal é o 7.º pior no ranking entre os países da União Europeia. Dinamarca, Suíça, Singapura, Suécia e Hong Kong, ocupam os primeiros lugares da edição de 2022 deste estudo, que incorpora 235 indicadores.

Para José Caballero, economista do IMD World Competitiveness Center, “o declínio global de Portugal no ranking deriva de tendências negativas nas medidas relacionadas com a economia nacional e o investimento internacional”.

O acima mencionado especialista, diz ainda que o país está a experimentar um declínio a nível da eficiência do governo e das empresas, para além de apresentar uma descida acentuada em medidas consideradas relevantes, como a classificação de crédito, o nível de burocracia e os indicadores de atração e retenção de talentos. “Do mesmo modo, na infraestrutura tecnológica, o país sofre uma queda abrupta. Há, no entanto, alguns ganhos no comércio internacional, educação e infraestruturas científicas”, ressalva o economista.

O relatório de 2022 identifica quatro desafios chave para a competitividade da economia portuguesa: garantir um nível de crescimento sustentável do PIB, superior à média da UE; implementar uma estratégia nacional de promoção da literacia financeira; promover reformas estruturais no setor público; e elaborar estratégias de combate aos problemas demográficos do país. Prioridades definidas, vamos agora arregaçar as mangas?

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.