Domingo, 19 de Setembro de 2021
©Dr

Santuário de Fátima só pode receber 7.500 peregrinos

Este ano, devido à pandemia, o Santuário de Fátima só pode receber 7.500 peregrinos no recinto de oração.

-PUB-

Este ano, devido à pandemia, o Santuário de Fátima só pode receber 7.500 peregrinos no recinto de oração. O reitor pede que se reze em casa “pelo fim da pandemia e pela paz no mundo” e que, quem não poder estar na Cova da Iria, “acenda uma vela em sua casa”.
“Não é ainda o tempo de nos juntarmos todos. Estaremos, apenas, os que pudermos”, refere o padre Carlos Cabecinhas, numa mensagem em vídeo divulgada pela instituição. “Como sabeis, ainda não adquirimos os níveis de vacinação que nos permitem encarar, com tranquilidade, esta pandemia, que nos vai surpreendendo sempre”, acrescenta o sacerdote.
“Em articulação com as autoridades de saúde, como sempre fez, o Santuário garantirá uma vez mais o acolhimento dos peregrinos, em total segurança, prosseguindo a aplicação das regras em vigor neste contexto de pandemia em todas as celebrações como o uso obrigatório de máscara, o distanciamento físico e a higienização das mãos”, realça a instituição.
As entradas no recinto fazem-se por oito portas, devidamente assinaladas, nos lados norte e sul do Santuário, onde vão estar acolhedores, com dispensadores de álcool gel, indicando os lugares para onde devem seguir os peregrinos. Os espaços estão assinalados por círculos, dentro dos quais poderão ficar apenas peregrinos que pertençam ao mesmo agregado.
O reitor admite que os 7500 peregrinos presentes nas celebrações serão “menos” do que gostaria de receber “na grande esplanada” que é o Recinto de Oração, mas pede que “os que não puderem vir, acendam uma vela e rezem connosco na vossa igreja, na vossa casa, ligados a Fátima, e unidos a Nossa Senhora em oração”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.