Domingo, 23 de Junho de 2024
No menu items!

“Um pilar essencial no concelho”

A Santa Casa da Misericórdia de Valpaços (SCMV) tem um peso importante no município, pela assistência prestada e pelo emprego criado (sendo o segundo maior empregador do concelho). Altamiro Claro, provedor da instituição, não hesita em dizer que hoje ela “é um pilar fundamental na região”.

-PUB-

O responsável garante que a “gestão de rigor” tem permitido “fazer muitos investimentos” e destaca que houve “sempre resultados positivos” desde que está à frente da instituição.

A IPSS foi crescendo e “pequenos resultados geram grandes resultados”, que foram “dirigidos para o investimento”. “É com orgulho que sentimos que a instituição é considerada uma referência a nível regional e nacional”.

Altamiro Claro, provedor da SCMV

Em 12 anos a instituição teve um crescimento significativo, expresso no orçamento que quadruplicou para os atuais 12 milhões de euros, e no número de colaboradores, de 150 para os atuais 350.

Na vertente social, dispõe de 10 Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) e está em construção a 11.ª unidade, a Habitação Colaborativa, um investimento aproximado de dois milhões de euros, apoiado pelo PRR. O Complexo Residencial do Pinheiro Manso vai ter capacidade para 47 pessoas e é “considerado um equipamento social de nova geração e pioneiro”, que se destina a pessoas ainda com alguma autonomia, mas que não estão em condições de estar sozinhas, contando com serviços de apoio. O equipamento deve estar concluído no próximo ano e, segundo o provedor, as condições de acesso são iguais às de qualquer outra ERPI.

Depois da construção de duas novas ERPI, a ampliação de outras e a recuperação de quase todos os restantes equipamentos sociais, está em conclusão a reabilitação da ERPI de São José (a mais antiga da instituição), num investimento de mais de 1,5 milhões de euros.

Além dos lares de idosos, a SCMV tem quatro centros de dia e quatro serviços de apoio domiciliário, que abrangem todo o concelho. No setor da educação, a instituição tem uma creche e jardim de infância com cerca de 160 crianças. Nestes quatro tipos de respostas sociais, a Misericórdia apoia aproximadamente 700 utentes.

 

HOSPITAL

O Hospital da Misericórdia de Valpaços, reaberto em 2021, depois de obras no valor de cinco milhões de euros, resulta de uma parceria entre a SCMV e a câmara municipal e tem aumentado a produção hospitalar de ano para ano.

Nas mais de 20 especialidades, as consultas passaram de 6.455 em 2021, para 11.123 no ano passado, sendo que 2.108 foram realizadas ao abrigo do acordo Consulta a Tempo e Horas (CTH). Até ao final de abril de 2024, já tinham sido feitas 3.918.

Hospital da Misericórdia

Nas cirurgias, a resposta também foi incrementada para praticamente o dobro desde o ano de abertura, quando 533 intervenções foram realizadas. Já em 2023, foram 940 os pacientes que passaram pelo bloco operatório, em sete especialidades. “Um aumento percentual acima dos dois dígitos significa que há confiança por parte da população da região nos serviços”, afirma.

Os números podem ainda crescer para cerca do dobro. “Temos uma capacidade instalada para produzir muito mais”, em cirurgias, consultas e exames. Esta disponibilidade já foi dada a conhecer ao anterior e atual governo. “A dotação orçamental que dispomos é muito pequena para as necessidades da população”, sendo que para a unidade são referenciados pacientes dos ACES Nordeste, Alto Tâmega, Douro Norte e Douro Sul.

“Somos um hospital moderno, próximo e de qualidade. Tem ótimas condições e está dotado dos melhores equipamentos e com equipas muito qualificadas”, afirma o responsável.

Recebe ainda uma média de 90 utentes, por dia, em fisioterapia e realizou, no ano passado, 15.819 exames complementares de diagnóstico e quase 6 mil atendimentos nos Serviços de Atendimento Permanente (SAP).

O hospital integra também a Unidade de Cuidados Continuados (UCC) de média duração e reabilitação, com 22 vagas, que “tem estado sempre cheia”.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS