Terça-feira, 27 de Julho de 2021
©DR

Vítor Sobral é o candidato do PS à Câmara de Foz Côa

Vitor Sobral é o candidato do Partido Socialista (PS) à Câmara de Vila Nova de Foz Côa, no distrito da Guarda, tendo como prioridade, caso seja eleito, o bem-estar das pessoas, foi hoje divulgado.

-PUB-

“Esta candidatura tem o bem-estar das pessoas em primeiro lugar. Teremos que ser capazes de oferecer o que as pessoas precisam no nosso território, queremos que Foz Côa seja novamente um centro de novas dinâmicas, educacionais, sociais, culturais, comerciais, industriais e agrícolas. Esta política terá medidas concretas de combate ao despovoamento, um dos piores pesadelos do nosso concelho”, disse o candidato, numa nota enviada à agência Lusa.

Afirmando-se independente, Vitor Sobral referiu que aceitou o desafio que o PS lhe fez por considerar que só numa “perspetiva independente de interesses partidários será possível desenvolver Foz Côa com eficiência”.

Para o candidato, “é ponto de honra” da candidatura “estancar” a saída dos jovens do concelho, dando-lhes “condições, a cada um, para o seu próprio desenvolvimento humano”.

Vitor Sobral é atualmente secretário executivo da Associação de Municípios do Baixo Sabor (AMBS), que integra quatro municípios, há 10 anos e é coordenador do Fundo do Baixo Sabor desde dezembro de 2016, que apoia projetos sustentáveis no território dos Lagos do Sabor.

“As vastas áreas a que me dediquei, e dedico, reforçam a dinâmica que me caracteriza, tendo-me dado um conhecimento multidisciplinar, transversal e abrangente. Tenho a experiência, a visão, os mecanismos e as ferramentas que são necessárias para Desenvolver Foz Côa. É isso que me distingue”, apontou o candidato que encabeça a lista do PS.

Vitor Sobral tem como outra das linhas prioritárias da sua candidatura a educação, por considerar que é nesta área “que tudo começa”, seguindo-se a economia/emprego, a agricultura, a cultura e turismo, bem como o setor social.

O candidato acredita que os recursos financeiros de que dispõe a Câmara são suficientes para fazer face às necessidades dos cidadãos residentes, justificando que o orçamento da autarquia está muito dependente dos financiamentos comunitários e não deve ser o município a concentrar em si a responsabilidade de ser a maior entidade empregadora do concelho.

“Este facto pode levar a condicionalismos de dependências como as que se verificam. Devemos antes dinamizar a economia para atrair novas empresas e diversificar as áreas económicas, permitindo criar novos postos de trabalho e reforçar o apoio dos que já existem”, vincou.

Por outro lado, Vitor Sobral disse que Vila Nova de Foz Côa, sendo um concelho situado no interior, terá de ver implantadas políticas necessárias pelo Governo para diminuir o despovoamento e desertificação.

“Acredito que o primeiro passo a ser dado é o da regionalização, há tanto prometida. Depois da regionalização, cada região poderá trabalhar de forma mais concisa os problemas de cada uma, assim como criar soluções territoriais. No meu ponto de vista, não existe uma fórmula universal para acabar com esses problemas, cada região tem as suas especificidades e potencialidades e são esses aspetos que devem ser trabalhados para criar soluções”, indicou.

Para Vitor Sobral, o Douro Vinhateiro e as gravuras rupestres do Vale do Côa serão também “bandeiras desta candidatura e dos seus apoiantes”.

O município de Vila Nova de Foz Côa é composto por cinco vereadores sendo que três são eleitos pelo PSD e dois pelo PS.

Até ao momento, além de Vitor Sobral, são conhecidas as candidaturas de João Paulo Sousa pelo PSD e de Marta Mendes pela CDU.

As eleições autárquicas estão marcadas para o dia 26 de setembro.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.