Domingo, 23 de Junho de 2024
No menu items!

A renovação da Pastoral Vocacional

O Conselho de Presbíteros da Diocese de Vila Real reuniu na Casa do Clero, no dia 29 de maio de 2024, na sua centésima primeira sessão ordinária.

-PUB-

O bispo diocesano, D. António Augusto, abriu os trabalhos, partilhando a experiência da recente visita Ad Limina ao papa, aos diferentes dicastérios e organismos do Vaticano e introduziu o tema tão atual das vocações na Igreja, sejam elas sacerdotais, religiosas ou à família, que estava proposto para a reflexão deste dia.

Referiu esta questão como importante para o futuro da diocese, ainda que seja um problema que afeta o conjunto das dioceses de Portugal e da Europa e para a qual é necessária uma nova abordagem e uma nova linguagem, o que traz novos desafios, mas também novas oportunidades de renovação da pastoral vocacional.

Os conselheiros começaram por manifestar preocupação a respeito da cultura atual que não favorece a procura do sentido vocacional da existência. Manifestaram também a necessidade de renovação das propostas da Igreja na linguagem, nos meios utilizados, nas experiências proporcionadas, sobretudo às crianças e aos jovens, na catequese, nos escuteiros, nos grupos de jovens, nas próprias famílias e na vivência litúrgica das comunidades.

A escassez de padres para o futuro vai obrigar a uma reestruturação eclesial, assente na ministerialidade e exigirá uma atenção redobrada ao acompanhamento espiritual.
Em tempo para outros assuntos, foram partilhadas informações sobre a peregrinação diocesana a Fátima, no dia 5 de outubro próximo, sobre o processo sinodal e ainda houve tempo para partilhar algumas sugestões para o plano pastoral do próximo ano, com o tema: “Corresponsáveis ao serviço da missão”, que será um Ano Jubilar em toda a Igreja.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS