Terça-feira, 27 de Julho de 2021
©Arquivo VTM

Abertura das fronteiras permitirá “regresso progressivo à normalidade”

É já este sábado, 1 de maio, que as fronteiras terrestres com Espanha vão reabrir, depois de cerca de três meses encerradas.

-PUB-

Esta quinta-feira, António Costa apresentou a 4ª fase do processo de desconfinamento, que arranca já este sábado, dia 1 de maio, onde está, entre outras medidas, a abertura das fronteiras terrestres com Espanha, encerradas e, algumas delas, controladas, desde o final de janeiro.

É com “entusiasmo e satisfação” que Nuno Vaz registou a decisão do Governo central, referindo que “traduz, naturalmente, o princípio, de um caminho que queremos encetar”.

“A abertura das fronteiras, o desconfinamento e esta progressiva normalidade da nossa economia e das nossas atividades permitirá retomar a capacidade empresarial, a atividade económica e alguma normalidade de vida”, disse o presidente da câmara municipal de Chaves, lembrando que, para uma cidade e um concelho de fronteira “é natural para nós irmos a Verín, como ir a outras cidades portuguesas”.

“Nós somos verdadeiramente raianos. Esta relação afetiva, emocional e histórica que temos com os nossos vizinhos foi o que nos levou a fazer a Eurocidade”, disse, pedindo aos decisores políticos que, no futuro, olhem para as Eurocidades “como um espaço de experiência em que se podem ensaiar soluções que permitirão perceber se o encerramento destes espaços de fronteira terrestre pode ou não contribuir como um elemento de disseminação do risco pandémico”.

Para Nuno Vaz, a abertura das fronteiras “é um sinal de esperança para os nossos comerciantes”, mas pede que a retoma às atividades económicas seja feita com “renovados cuidados”.

“Queremos que esta não seja uma falsa partida e que não seja uma decisão que tenha que ser depois revertida. O que peço a peço a todos é que retomem as suas atividades e negócios, mas cuidando daquilo que é essencial, a saúde, a sua e dos clientes, cumprindo com todas as regras e tendo comportamentos responsáveis”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.