Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Em Murça ainda há residentes que não voltaram às aldeias

Uma reativação na zona de Valongo de Milhais, em Murça, adiou o regresso a casa dos populares retirados na segunda-feira das aldeias desta freguesia por precaução devido a um incêndio de grandes dimensões.

-PUB-

A informação foi adiantada hoje à agência Lusa pelo presidente da Junta de Valongo de Milhais, Renato Santos. “[O incêndio] esteve praticamente controlado e houve, agora, uma projeção numa zona que pode complicar outra vez as coisas na localidade de Ribeirinha”, afirmou o autarca, que adiantou que há meios posicionados no local.

O incêndio, que teve início no domingo à tarde em Cortinhas, concelho de Murça, alastrou-se por praticamente por toda a zona norte do concelho, entrando ainda nos concelhos de Vila Pouca de Aguiar e de Valpaços.

Por precaução, muitos populares, principalmente os mais idosos, foram retirados de várias aldeias, nomeadamente de Valongo de Milhais e de Ribeirinha.

Pelas 11:00, de acordo com informação disponível no ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), encontravam-se no terreno 688 operacionais, 11 meios aéreos e 235 meios terrestres a combater as chamas.

Renato Santos explicou que estava previsto o regresso a casa dos residentes destas aldeias, que pernoitaram na vila de Murça, na residência de estudantes e no pavilhão desportivo, mas que, face a esta reativação, vai ter que se “atrasar um pouco esse regresso”.

O autarca descreveu um cenário completamente negro à volta das aldeias, onde disse que ficou toda a noite em vigilância e no apoio aos bombeiros e GNR. “Ainda não tive a oportunidade de dar a volta completa pela freguesia”, apontou.

Renato Santos disse não ter conhecimento de habitações queimadas, falando de alguns anexos ou palheiros atingidos. O autarca mostrou estar ainda “bastante preocupado” com a situação.

“Depois do enorme esforço, parecia estar tudo a correr bem, e agora com uma projeção e um bocadinho de vento já volta a estar a arder no meio do mato”, referiu.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.