Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
©DR

Filandorra prepara-se para estrear peça de Gil Vicente

A companhia de teatro Filandorra prepara-se para levar a cena a sua 79ª produção, iniciando a sua residência artística em Vila Flor.

-PUB-

“O Velho da Horta” de Gil Vicente é a peça que se segue. Trata-se de uma farsa para rir, feita a partir dos jogos de linguagem e metáforas líricas.

E foi precisamente na horta da dona Constança, às portas de Vila Flor, que o elenco da Filandorra, na companhia do presidente da câmara, Pedro Lima, assinalou o início da residência artística à volta da “grande couve”.

Com encenação de David Carvalho, a farsa vicentina é atualizada no tempo e no espaço, “transportando as personagens para uma qualquer quinta do Vale da Vilariça”, reforçando a comédia e a intemporalidade de Gil Vicente a partir da história de um velho muito rico que se enamora por uma moça, mas que por engano de uma alcoviteira perde a sua fortuna.

Nesta versão, Fenandeanes, de alcunha “O da Bota”, é um homem excêntrico no seu dia a dia, que apesar de usar bengala, se desloca de hoverboard para todo o lado.

A nova produção da Filandorra, que tem estreia marcada para 22 de janeiro, conta com o apoio da DGartes/Ministério da Cultura e tem como parceiro principal o município de Vila Flor, que tem em implementação uma nova política cultural que visa reaproximar as populações com a arte do teatro.

landorra, o município de Vila Flor reforçou a parceria com a companhia, “o que vai permitir criar uma Escola Municipal de Teatro para crianças e jovens, dinamizar um Grupo de Teatro Amador” e levar o teatro às freguesias “como forma de combater o isolamento das populações rurais”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.