Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

GNR deteve quatro homens suspeitos do furto de carris ferroviários

A GNR de Foz Côa deteve quatro homens, com idades compreendidas entre os 21 e os 56 anos, por furto de carris ferroviários, na localidade de Almendra, neste concelho do distrito da Guarda

“No âmbito de uma denúncia a dar conta que vários indivíduos estariam a cortar e a furtar carris de uma linha desativada, os militares da Guarda deslocaram-se rapidamente para o local tendo sido realizadas diligências policiais que permitiram localizar e deter os quatro indivíduos em flagrante”, indicou a GNR, em comunicado.

De acordo com a mesma nota, no seguimento das diligências foi apreendida viatura, uma rebarbadora, um gerador elétrico e sete porções de carril, totalizando cerca de 20 metros de linha ferroviária.

Os detidos foram constituídos arguidos, e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Vila Nova de Foz Côa.

AUTARQUIA PREOCUPADA

O presidente da câmara de Vila Nova Foz Côa mostrou-se preocupado com os furtos de carris. “Neste caso é preciso perceber que tipo de pessoas estão a furtar os carris na linha do Douro, entre o Pocinho e a Barca d´Alva, porque isso também é importante. Espero bem que não sejam pessoas privilegiadas que já saibam que os carris possam vir a ser retirados posteriormente”, explicou à Lusa João Paulo Sousa.

De acordo o autarca social-democrata, ao longo dos últimos anos, desde 1985,” há pontualmente o furto de carris neste traçado da ferrovia do Douro. Durante este tempo todo, este património tem sido dilapidado e a Infraestruturas de Portugal (IP) deveria estar mais atenta. Vamos ver o que vai acontecer. Mas é claro que estão a dilapidar património”, vincou.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da IP disse que são feita “inspeções periódicas a este troço de via férrea. Uma equipa de técnicos visitou o local no dia do furto dos carris”, frisou a fonte.

A reabertura deste troço é reclamada na região há vários anos e em maio de 2021 foi constituído um grupo para estudar a viabilidades da reabertura deste traço de linha transfronteiriço.

Recentemente a IP, avançou que os estudos de viabilidade técnica e ambiental da reabertura do troço Pocinho – Barca d’Alva, na Linha do Douro, “estão concluídos” e serão entregues brevemente ao grupo de trabalho sobre o tema.

A Linha do Douro desenvolve-se ao longo de 191 quilómetros, de Ermesinde (Porto) a Barca d´Alva (Guarda), estando eletrificado até Marco de Canaveses (Porto). O troço ferroviário de 28 quilómetros entre o Pocinho e Barca d’Alva foi encerrado em 1988.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

Homem encontrado morto em casa

PREMIUM

Um lar a que todos chamam casa

Homem morre em colisão

Homem morre afogado em Valdanta

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.