Domingo, 27 de Novembro de 2022

ICNF e AGIF juntam cerca 250 membros dos Gabinetes Técnicos Florestais

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. (ICNF) e a Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais, I.P. (AGIF), juntaram, no dia 27 de janeiro, cerca de 250 elementos dos gabinetes técnicos florestais (GTF) municipais e intermunicipais.

-PUB-

O presente encontro, que decorreu em formato online, serviu para o ICNF e a AGIF apresentarem os novos processos de governança e planeamento, como também o papel e funções do GTF no novo SGIFR.

Durante a sessão, foi sublinhado pelos responsáveis nacionais a relevância dos profissionais dos GTF, em particular a nível dos municípios. O presidente do ICNF, Nuno Banza, notou o evento como um “momento de partilha único” com os operacionais fundamentais para a implementação do SGIFR. Em acréscimo, o vogal do Conselho Diretivo do ICNF, Nuno Sequeira, classificou o trabalho dos GTF como de “importância fundamental para o sucesso” do novo Sistema.

Também do ICNF, João Pinho, afirmou que “ninguém melhor que os municípios e os GTF para reunir as vontades” essenciais de modo a garantir a cooperação entre os agentes regionais e locais no âmbito do SGIFR e das restantes competências em matéria florestal e de conservação que dispõem.

João Verde, da AGIF, apresentou o modelo de governança do Sistema, no qual os GTF estão integrados, que descreveu como “mais equilibrado”, com a implementação de quatro novos níveis de atuação. Além do nacional e municipal passaram a existir os níveis regional e sub-regional, “para responder aos efeitos de escala que os incêndios rurais colocam”.

Maria João Gomes, também da AGIF, assinalou o papel das comissões nacional, regionais, sub-regionais e municipais para a elaboração dos respetivos programas de ação e de execução. “Não serão a AGIF ou o ICNF a elaborar sozinhos estes programas. As comissões terão competência na aprovação dos programas, definição de prioridades a analisar, definir metas e orçamentos projeto a projeto”, salienta.

Estas comissões têm como função estabelecer a coordenação dos programas e orçamentos para a execução da estratégia definida, bem como articular a atuação dos agentes no âmbito da programação da intervenção.

O novo modelo de governança do SGIFR, que entrou em vigor no início deste ano, criou uma estrutura mais integrada verticalmente e ajustada ao território, que potencie uma melhor execução de projetos e medidas.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.