Sexta-feira, 30 de Setembro de 2022

Meios terrestres reforçados e aldeias ameçadas

Os meios terrestres estavam a ser reforçados ao início da noite deste domingo, no combate ao incêndio que deflagrou hoje na Samardã, no concelho de Vila Real.

-PUB-

Segundo Miguel Fonseca, comandante distrital de operações de socorro (CODIS) de Vila Real, neste momento, a prioridade é fazer a “proteção às populações e habitações”.

De acordo com o responsável, pelas 20:00, as aldeias que causavam mais preocupação e onde os meios estavam posicionados eram Sanguinhedo, Felgueiras, Fortunho e São Tomé do Castelo.

De recordar que o fogo deflagrou por volta das 07:00 na serra do Alvão, na zona da Samardã, e às 20:00 continuava a avançar, com três frentes, e a progredir com muita intensidade. O vento forte tem sido a principal dificuldade no combate às chamas.

Durante a tarde, o fogo rodeou a aldeia de Vilarinho da Samardã, passou pela Estrada Nacional 2 (EN2), desceu ao rio Corgo e subiu, na outra margem, para a zona onde agora aumentam as preocupações dos operacionais.

Segundo o ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção (ANEPC), às 21:30 estavam mobilizados para o local 416 operacionais e 119 viaturas. Devido ao fumo intenso, os meios aéreos deixaram de operar há algum tempo, sendo que durante o dia chegaram a ser quatro.

A Autoestrada 24 (A24) permanece cortada entre os nós de São Tomé do Castelo e de Vila Pouca de Aguiar e a EN2 permanece também cortada entre Escariz e Soutelinho do Mezio.

Ao final da tarde, o presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, deixou um apelo às populações para se autoprotegerem devido à dimensão do incêndio e referiu que este fogo “começou logo pela manhã, com quatro pontos de ignição, teve uma frente inicial de cerca de três quilómetros, uma progressão muito, muito rápida”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.