Domingo, 24 de Outubro de 2021
Armando Moreira
MIRADOURO Ex-presidente da Câmara Municipal de Vila Real. Colunista n'A Voz de Trás-os-Montes

Miradouro – Ex-Libris da cidade

A Avenida Carvalho Araújo anda em obras de requalificação há mais de dois anos

-PUB-

Como é do conhecimento da maior parte dos cidadãos vila-realenses, a Avenida Carvalho Araújo anda em obras de requalificação há mais de dois anos. Muitos se interrogam sobre o porquê desta profunda intervenção, no arruamento mais emblemático da nossa cidade. Fui questionado diretamente por nunca abordar o assunto nesta nossa crónica semanal. Fazemo-lo hoje, de uma forma abreviada.

Algum tempo depois de termos terminado o nosso mandato, em 1993, o nosso sucessor teve a ideia de colocar a remodelação da Avenida Carvalho Araújo em agenda, tendo mandado elaborar um anteprojeto, encomendando para o efeito um estudo ao melhor arquiteto da terra – o Arq. Belém Lima. Porém, a notícia de que iriam ser feitas obras de remodelação na Avenida suscitaram, logo nessa altura, alguma celeuma pública, pelo que o Presidente da altura, o Dr. Manuel Martins, teve o bom senso de fazer uma espécie de consulta pública, tendo disponibilizado um espaço comercial a meio da avenida, onde expôs alguma das peças desenhadas do anteprojeto e uma urna para depositar os votos a favor ou contra, dos interessados em pronunciar-se.

Nunca soube o resultado. A única coisa que posso revelar hoje é que, pessoalmente, manifestei por escrito o meu desacordo. A verdade é que a obra esqueceu e só agora foi retomada, pela atual vereação, que tem toda a legitimidade, desde que a Assembleia Municipal, a isso não se oponha, o que pensamos não terá acontecido.

Sejamos bem claros: a Avenida Carvalho Araújo é um ex-libris da cidade, o que significa muito para todos os vila-realenses quer vivam na cidade ou em outras paragens. A avenida estava para a cidade, como marca identitária de um tempo histórico. Em nossa opinião, a avenida carecia de pequenas intervenções, nos jardins, nos passeios, nos pavimentos, mas jamais na sua configuração. Alterar a Avenida Carvalho Araújo para os vila-realenses é como alterar a Torre Eiffel para os parisienses.

Fique, porém, claro, que embora discordemos da intervenção, temos a certeza absoluta de que as obras que andam a ser feitas vão ser de grande qualidade, como todas as que saem da mão do Arq. Belém Lima.

As muitas carências no nosso concelho, não nos permitem aprovar o investimento de vários milhões de euros, nesta obra, quando há tanto a fazer no desenvolvimento da cidade e do concelho.

Na nossa visão, os limites da cidade vão de Parada de Cunhos, a sul, até ao Bairro da Norad, a norte, e do Hospital de Lordelo, a poente, até Constantim, a nascente, – com a Zona Industrial e o Aeródromo.

Admitimos, porém, que haja quem entenda que esta é uma visão demasiado futurista da dimensão da cidade. Estão no seu direito.

Mais Lidas | opinião

O povo é quem mais ordena

Património e o futuro (II)

Viagem de Circum-navegação 1

Autárquicas

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.