Quarta-feira, 1 de Fevereiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Nuno Augusto
Nuno Augusto
Presidente do Regia DouroPark

Os tempos não são nada fáceis

Os nossos empresários navegam hoje por um mar revolto e completamente desconhecido.

-PUB-

A economia portuguesa tem, nos últimos anos, vivido num enorme sobressalto.
Depois de uma crise orçamental que levou o país a pedir um resgate à Troika, provocando uma forte retração económica associada a níveis de desemprego altamente penalizadores, enfrentámos uma pandemia que paralisou todo o mundo, levou o pânico aos mercados, suspendendo por completo todo o sistema produtivo mundial.

Esta pandemia, agora numa fase já domesticada, ainda hoje provoca enormes constrangimentos com a falta de matérias-primas em algumas cadeias de abastecimento de setores produtivos vitais ao desenvolvimento global.

Presentemente, assistimos, uma vez mais, a uma guerra na Europa, com as inúmeras implicações económicas, financeiras e sociais.

As implicações desta guerra estão a ser muito nefastas para a economia global, com uma enorme incidência na economia europeia e, consequentemente, na economia portuguesa. A instabilidade continua a fazer parte do léxico de qualquer empresário português, que nos últimos anos não tem conseguido viver dois anos de estabilidade.

O sucesso do empresário depende muito da sua capacidade em analisar o presente antecipando o futuro, conseguindo, desta forma, adaptar a sua estrutura e estratégia empresarial. Com este sistema estrutural global, com alterações radicais de comportamentos dos mercados, com uma enorme instabilidade das cadeias de abastecimento isso é quase impossível.

Hoje, cabe aos nossos empresários sobreviver. O próximo ano será de forte travagem no consumo privado, com uma possível recessão económica, associada a uma inflação ainda descontrolada, com custos energéticos proibitivos e com uma forte redução do poder de compra das nossas famílias. As taxas de juro continuarão a aumentar e a capacidade de recorrer ao crédito será ainda mais diminuta.

Os próximos tempos, ainda que difíceis, serão tempos de oportunidades embora provocando uma seleção natural de alguns operadores. Apelo, pois, à forte capacidade de resiliência dos empresários.

Esperemos que os nossos governantes consigam um bom orçamento em contraciclo, capaz de proteger o nosso tecido empresarial até que possamos atingir a bonança.

Mais lidas

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.