Sábado, 4 de Dezembro de 2021
©EN

Portugal com “percurso extraordinário” em questões de saneamento

De visita a Vila Real, por ocasião do Dia Mundial do Saneamento para Todos, o ministro do Ambiente destacou o percurso de Portugal neste ramo.

-PUB-

Em 1993 Portugal tinha cerca de 25% das águas residuais tratadas, hoje a taxa ronda os 85%, um percurso que João Pedro Matos Fernandes apelida de “extraordinário”.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática este esta sexta-feira em Vila Real, a participar num seminário, organizado pela Águas do Norte, dedicado ao saneamento.

“Passámos de 640 hepatites que se apanhavam bebendo a água da torneira, em 1993, para zero, no último ano. O que fizemos é, por isso, um trabalho de que muito nos orgulhamos”, afirmou.

O ministro destacou o percurso feito por Portugal nas últimas décadas, referindo que o país está “muito acima da média mundial”, mas que, mesmo assim, “não tem o problema todo resolvido”.

Segundo o ministro, quando se fala no abastecimento de água e do tratamentos dos efluentes, é preciso perceber que aquilo que aparentemente sobra nos sistemas, como as lamas das estações de tratamento de água (ETA), das lamas das estações de tratamento de águas residuais (ETAR), a própria água residual tratada nas ETAR, “não é um resíduo, é um produto”.

“E temos de saber encontrar formas para sabermos aplicar esse mesmo produto. A água residual tratada é água para muitas aplicações, não é obviamente para beber ou para lavar os dentes, mas para regar um jardim, lavar uma rua, para fazer a rega de culturas permanentes e já existem experiências em Portugal em que isso acontece”, frisou.

Notícia desenvolvida na edição de 25 de novembro

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.