Segunda-feira, 20 de Maio de 2024
No menu items!

“Queremos ajudar as empresas a procurar novos mercados”

Dias 8 de 9 de maio, a Associação Empresarial NERVIR organiza o I Fórum Empresarial do Douro, um evento “único” que pretende ajudar as empresas a encontrar oportunidades de negócio em todo o mundo. A VTM entrevistou Mário Rodrigues, que acredita que esta poderá ser uma boa alavanca para as empresas começarem a trilhar novos caminhos rumo ao sucesso

-PUB-

Em que consiste o I Fórum Empresarial do Douro?

É um evento que a NERVIR prepara há alguns meses e tem em vista a valorização das nossas empresas. Iremos desenvolver um conjunto de ações que ajudem as empresas a serem mais fortes. Durante os dois dias, 8 e 9 maio, vamos criar um grande ambiente de networking, que é isso que as nossas empresas precisam para serem mais fortes e para alargarem mercados.

É um fórum com momentos diferentes. Quer explicar melhor em que consistem?

A 8 de maio, da parte da manhã, haverá um debate dividido em três grandes temas: “Os desafios e o futuro das empresas em territórios de baixa densidade; O impacto do Portugal 2030 e do Plano de Recuperação e Resiliência para as PME’s; O associativismo como fator crítico para o desenvolvimento dos territórios e das empresas.

Quem serão os oradores?

Vamos ter representantes da Comissão de Coordenação da Região Norte (CCDR-N), da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), da Comissão de Acompanhamento do Plano de Recuperação e Resiliência, do IAPMEI, da Associação Empresarial de Portugal, da Câmara de Comércio de Valladolid e do NERBA. Será um leque de oradores de grande valia e que nos vão ajudar a projetar as nossas empresas. Não vamos apontar fragilidades, mas sim olhar para os desafios que se vislumbram na atual conjuntura, em que a palavra de ordem é a impressibilidade. É isso que lhes dificulta o planeamento, numa altura em que dependemos de tudo o que se passa no mundo. Queremos ajudar as empresas a prever o que poderá vir a acontecer nos próximos anos.

É um fórum que se realiza em diferentes concelhos…

No dia 8, o primeiro momento vai decorrer na Casa de Mateus. Durante a tarde será feita uma abordagem setorial, em que vamos dar exemplos de empresas que estão sedeadas nesta região e são competitivas em todo o mundo. Vamos valorizar a performance.
O primeiro painel engloba o agroalimentar, o turismo e o vinho, no Teatro Auditório de Alijó. O objetivo foi descentralizar, já que a NERVIR tem um grande posicionamento a nível regional. Vamos ter um conjunto de empresas que se podem inspirar no exemplo de outras. Ou seja, estar aqui, no interior, não é impeditivo de ter sucesso em qualquer parte do mundo.

Teremos vários moderadores, muitos deles da UTAD, que é nossa parceira. Destaco a Sheree Mitchell, uma jornalista americana ligada ao turismo de luxo. É uma pessoa com grande impacto a nível mundial.

Em Vila Real teremos o painel “A Indústria Transformadora” no Regia Douro Park. Já o painel “Engenharia, arquitetura e construção” decorre em Vila Pouca de Aguiar, no Auditório Municipal, em que contamos com o presidente da Ordem dos Engenheiros da Região Norte.

O painel “As Novas Tecnologias e o Digital” vai decorrer na UTAD, em que o objetivo é aproximar as empresas da área tecnológica das outras. Isto porque estas empresas têm uma visão global diferente e podem ter um papel preponderante para ajudar os setores tradicionais a desenvolver-se.

São painéis que vão decorrer, simultaneamente, em quatro locais diferentes e para diferentes públicos.

E no dia 9, o que haverá?

Teremos um evento dinâmico, das 9h00 às 14h30, na Quinta do Paço. É um evento de networking puro, em que convidamos câmaras de comércio e indústria de vários países (China, Hong-Kong, Angola, Espanha, Luxemburgo, Bélgica, Alemanha), que vão reunir com as nossas empresas e dar-lhe a conhecer melhor cada um destes mercados e as oportunidades que existem. Vamos ainda ter compradores internacionais, que vão reunir com as empresas de forma a proporcionar-lhe novos negócios.

Como se pode participar?

As empresas não têm qualquer custo para participar, só têm de se inscrever previamente, através do nosso site e das nossas redes sociais.

É uma iniciativa que se vai repetir no futuro?

As empresas da região de Trás-os-Montes e Alto Douro não podem ter os seus negócios demasiadamente micro, nós temos de ter uma base de empresas a trabalhar em mercados mais alargados e isso só é possível através da internacionalização. Pelo que o evento é uma ferramenta, em conjunto com outras, para ajudar as empresas a internacionalizar-se.

Queremos que saiam daqui novas ideias e um documento que sirva de base para desenvolver novos mercados. Queremos que volte a ser realizado daqui a dois anos.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS