Domingo, 17 de Outubro de 2021
©EN

Trabalhadores do Miraneve estão surpeendidos com “despedimento coletivo”

Os funcionários do restaurante e do hotel Miraneve dizem ter sido apanhados de surpresa com o fecho dos estabelecimentos e reivindicam pagamento de salários em atraso.

-PUB-

São ao todo 14 pessoas que, de um dia para o outro, ficaram sem o seu posto de trabalho.

O Sindicato da Hotelaria do Norte esteve hoje reunido com os trabalhadores do Miraneve qu alegam ter sido despedidos “sem aviso prévio”.

“O problema que aqui se coloca é que estamos a falar de 14 trabalhadores que, de um dia para o outro, ficaram sem o seu posto de trabalho. Temos aqui o encerramento ilícito de um estabelecimento”, afirma Nuno Coelho, do Sindicato.

O sindicalista refere ainda que “foi-lhes entregue um documento para o desemprego que nem está bem preenchido, porque falam em acordo de revogação quando não houve qualquer acordo”.

O próximo passo, garante, passa por “apresentar uma queixa-crime por encerramento ilícito e denunciar o caso à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT)”.

Sabe-se, também, que “a empresa, em período de pandemia, solicitou os apoios do Estado, recebeu-os, mas os trabalhadores não tiveram direito a nada por parte do patronato”.

À porta do Miraneve, Maria das Dores Costa, que trabalhava ali há 32 anos, explicou aos jornalistas que “só soube hoje que iam fechar e deixaram-me dois meses a trabalhar sozinha no hotel. Nem me pagaram os vencimentos. Tenho salários em atraso desde maio”.

À Lusa, o responsável pela empresa, Nuno Barroso, adiantou que “o hotel e o restaurante estão fechados por falta de trabalhadores”, alegando que “preciso de 14 funcionários e, neste momento, tinha quatro”.

“A casa, neste momento, está numa situação insustentável”, afirma. Já sobre os salários em atraso “são relativos a dois meses” e os documentos para o desemprego “foram bem preenchidos”. Nuno Barroso garante ainda que “não é certo que o Miraneve vá fechar” e que é mentira que “esteja em insolvência”.

Notícia desenvolvida na edição de 14 de outubro

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.