Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Um terço da população do meio rural de Bragança abastecida por autotanques

Cerca de um terço da população que vive no meio rural no concelho de Bragança está a ser abastecida de água por autotanques devido à seca, que levou o município a anunciar hoje medidas de poupança

-PUB-

O meio rural é o que “mais preocupa” a autarquia de Bragança que, desde fevereiro, está a levar água em autotanques, em colaboração com os bombeiros, a 26 aldeias do concelho, onde vivem perto de quatro mil pessoas, segundo o ponto da situação relativo à seca feito hoje pelo município.

A maior parte dos 34.589 habitantes do concelho vive na cidade, concretamente mais de 22 mil, com o abastecimento assegurado pela barragem de Serra Serrada, que ainda tem água para mais três meses sem chover, e pela reserva estratégica da barragem de Veiguinhas, que está cheia e só é utilizada em situações extremas.

Cerca de 12 mil pessoas vivem nas 114 aldeias do concelho, algumas das quais necessitam recorrentemente de ser abastecidas com autotanques no verão, quando aumenta a população com a chegada de emigrantes e turistas.

O que está a acontecer este ano é que os números são “três vezes superiores à média dos últimos três anos”, segundo disse hoje o presidente da câmara, Hernâni Dias, com 26 aldeias e quase quatro mil pessoas a precisarem de transporte de água.

Embora as necessidades não sejam diárias, como referiu o autarca, em meio ano os camiões cisterna já fizeram 350 viagens e o município gastou 20 mil euros porque as 105 captações e 68 furos artesianos que abastecem estas populações não conseguem encher os depósitos.

O número de pessoas afetadas pela falta de água é superior ao avançado, na quarta-feira, à Lusa pelo autarca que falou de “25 aldeias e mil pessoas” a serem abastecidas por autotanques, à margem da assinatura de protocolos com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), em Carrazeda de Ansiães.

Bragança foi um dos municípios contemplados com financiamento para o reforço de autotanques através do Fundo Ambiental, que disponibilizou 1,3 milhões de euros para mitigar a falta de água em sete concelhos de Trás-os-Montes.

Deste montante, um milhão destina-se ao transporte de água em autotanques a cerca de 11 mil pessoas de mais de 50 localidades de cinco concelhos, nomeadamente Bragança, Carrazeda de Ansiães, Mogadouro, Macedo de Cavaleiros e Alijó.

Apesar de garantir que os depósitos das aldeias afetadas em Bragança têm capacidade suficiente, o presidente da câmara reconheceu que existem problemas estruturais nas redes que precisam de ser reabilitadas e que este ano estão também a ser afetadas pelo calor.

Segundo disse, o município já registou “o dobro” das ruturas de anos anteriores, “porque o terreno fica mais seco, mais pesado” e causa danos nas canalizações.

Hernâni Dias salientou que a situação este ano é mais complicada e prova disso é que o município está “a levar água a algumas aldeias que nunca tinham tido problemas”.

A autarquia lançou uma campanha de sensibilização à população de todo o concelho para a poupança de água, nomeadamente evitar regar hortas, jardins, viaturas e encher piscinas com água da rede, tanto no meio rural como urbano.

O município diz que está a dar o exemplo com a instalação de redutores de água nas torneiras e autoclismos dos edifícios municipais, redução das lavagens da frota municipal e que vai acabar com a rega de alguns jardins e espaços verdes, apesar de parte ter como fonte sistemas alternativos.

O autarca referiu ainda que o município tem vindo a criar charcas, que já existem em “mais de metade das freguesias” do concelho e onde as pessoas podem ir buscar água para as hortas e dar de beber aos animais.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.