Sexta-feira, 7 de Maio de 2021
© Márcia Fernandes

Vestígios de arte rupestre registados pela DGPC

Depois do alerta de um grupo de historiadores e arqueólogos sobre o estado “de total negligência” em que se encontravam os vestígios de arte rupestre na Rua Marechal Teixeira Rebelo, em Vila Real, a Direção Geral do Património Cultural (DGPC) decidiu incluir aqueles vestígios no Sistema de Informação e Gestão Arqueológica – Endovélico, ou seja, o local fica georreferenciado como sítio arqueológico.

A International History Students and Historians Group (IHSHG) escreveu à DGPC sobre esta situação e sustentou que aquela arte “é um afloramento granítico que contém várias gravuras rupestres, em pleno centro da cidade”, que deve ser “anterior a data de fundação do primeiro núcleo urbano”.

A DGPC informou a IHSHG que o “sitio não se encontrava referenciado nem no PDM de Vila Real, nem no SI-Endovélico, encontrando-se apenas referido numa nota de rodapé da monografia ‘O Castro de São Bento’.

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.