Segunda-feira, 4 de Março de 2024
No menu items!

276 pessoas detidas pela GNR em todo o país na última semana

A GNR deteve 276 pessoas em flagrante delito e detetou 4.600 infrações de trânsito, no âmbito de uma ação de prevenção e combate à criminalidade e sinistralidade rodoviária que decorreu em todo o país.

-PUB-

As operações decorreram entre os dias 2 e 8 de fevereiro em todo o território nacional e, segundo a GNR, do conjunto de ações resultou a detenção de 276 pessoas em flagrante delito, a maioria (124) por condução sob efeito de álcool, seguindo-se 47 por condução sem habilitação legal.

Em comunicado, a GNR indica também que 20 pessoas foram detidas por tráfico de estupefacientes, 19 por furto e roubo, nove por violência doméstica, cinco por posse ilegal de armas e arma proibida e uma por incêndio florestal.

Durante as operações foram ainda apreendidas várias quantidades de estupefacientes, nomeadamente 2.099 doses de heroína, 1.584 doses de cocaína, 1.427 doses de haxixe, 264 doses de liamba, sete doses de MDMA, 41 pés de canábis, 175 comprimidos de anfetaminas, nove selos de LSD e três comprimidos de MDMA.

Além de estupefacientes, a GNR apreendeu 25 armas de fogo, 422 munições de diversos calibres, 28 armas brancas ou proibidas, 24 veículos, oito explosivos e 14.120,93 euros em numerário.

No mesmo período foram detetadas 4.600 infrações de trânsito em todo o país, a maioria (854) por excesso de velocidade.

Das infrações detetadas, 498 estão relacionadas com a falta de inspeção periódica obrigatória, 263 com anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização, 200 por falta de seguro, 181 com tacógrafos, 137 com o uso indevido do telemóvel, 129 por falta ou utilização incorreta do cinto de segurança e 44 por condução com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.