Sábado, 2 de Julho de 2022

Câmara apresenta Bienal de Arte Contemporânea em Zamora

Primeira edição arranca no próximo dia 29 de junho e vai ter uma duração de três meses

A Câmara de Macedo de Cavaleiros apresentou a “Linha de Água” – Bienal de Arte Contemporânea de Trás-os-Montes na Fundación Rei Afonso Henriques, em Zamora.

O presidente da Câmara de Macedo de Cavaleiros referiu que o objetivo passa “por promover um encontro de culturas num fluxo de águas dos rios que atravessam os nossos territórios e unem as artes de Portugal e Espanha, Trás-os-Montes e Castela e Leão”.

Benjamim Rodrigues acrescentou que pretende fazer de Macedo de Cavaleiros “a capital da arte contemporânea em Trás-os-Montes, fazer um investimento no território artístico do concelho e da região”.

Numa sessão que contou com a presença de José Luis Prada, secretário-geral da fundação de Castela, o autarca macedense sublinhou que o objetivo se estende “há captação de outros públicos espanhóis, nomeadamente da Galiza e de Castela e Leão, geograficamente mais próximas do território macedense”.

Com direção artística de Inês Falcão e Filipe Rodrigues, a Bienal de Arte Contemporânea de Trás-os-Montes ambiciona, igualmente, “estabelecer uma perspetiva de futuro na internacionalização em práticas colaborativas de investigação artística, em articulação sistemática com outros diretores artísticos e artistas/investigadores com atividade em centros de investigação artísticos, Institutos de Ensino Superior e Universidades”, explicou Inês Falcão.

O presidente da câmara destacou que este “é também um veículo para a cultura e uma forma de os macedenses terem acesso a obras de artistas portugueses e estrangeiros, de forma gratuita, e que de outro modo apenas teriam acesso percorrendo centenas de quilómetros”.

Em parceria com os agrupamentos de escolas da região vão também ser dinamizados ateliês para crianças e jovens, procurando fomentar nelas o gosto pela Arte Contemporânea.

A primeira “Linha de Água” arranca a 29 de junho, feriado municipal, e irá prolongar-se por três meses com exibições de pintura, escultura, cerâmica, fotografia e instalações, que estarão expostas no Centro Cultural, no Museu de Arte Sacra, na nova sede do Geopark Terras de Cavaleiros (na Estação de Macedo de Cavaleiros) e nas sedes e igrejas das juntas de freguesia.

O objetivo, frisa Inês Falcão, “é criar um roteiro artístico e cultural dentro da cidade e nas aldeias, impulsionando a circulação de artistas e visitantes”, considerou.

Esta iniciativa contará com 50 a 60 artistas portugueses e estrangeiros, nomeadamente oriundos dos Estados Unidos da América, Holanda, Bélgica, Japão e Espanha, referiu a diretora artística da Bienal macedense.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.