Domingo, 22 de Maio de 2022

Diocese em caminhada sinodal

Na última semana, os conselhos diocesanos de participação debruçaram-se sobre as questões indicadas para a fase de escuta das dioceses que estamos a viver em ordem ao próximo Sínodo dos Bispos.

O Conselho Presbiteral reuniu no dia 16, e o Conselho Pastoral no sábado.

Na introdução aos trabalhos, o bispo, D. António Augusto Azevedo, referiu-se ao processo Sinodal como uma oportunidade de renovação da própria Igreja local e apresentou as expressões sinodais lançadas pelo Papa Francisco – participação, comunhão e missão – como centrais no entender deste processo. Os dois organismos diocesanos vão fazendo o seu processo nestes momentos de encontro e de diálogo com a consciência de caminhar juntos.

No decorrer dos trabalhos de partilha, os conselheiros tiveram quatro núcleos temáticos a orientar a reflexão: companheiros de viagem; o ouvir; dialogar na Igreja e sociedade; e autoridade e participação. Ressaltou-se a necessidade de desenvolver na Igreja uma cultura de encontro e diálogo que começa na capacidade de ouvir a todos, clero e leigos, os que se sentem dentro e os que se consideram fora da Igreja, bem como fortalecer o sentido de comunhão, de comunidade e de diocese como Igreja local.

Os leigos, no Conselho Pastoral, fizeram sentir a necessidade de caminhar juntos com os mais idosos, com as crianças e os jovens, e ouvir os mais afastados em ordem a uma Igreja mais inclusiva e acolhedora.

O processo sinodal na Diocese está a decorrer com muito empenho de todos, desde as pequenas comunidades e paróquias aos arciprestados, secretariados e movimentos, havendo também uma boa participação nos inquéritos online.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.