Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Governo apela para se fazerem apenas viagens essenciais

A Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas apelou, hoje, aos portugueses para que façam só viagens mesmo essenciais e que cumpram, no final destas, a quarentena obrigatória.

-PUB-

Berta Nunes reforçou a ideia de que “continuamos a aconselhar a fazerem apenas viagens essenciais. Isso é mesmo muito importante. Esta recomendação para os portugueses fazerem apenas viagens essenciais para o Brasil ou até mesmo para outros países mantém-se”.

Em entrevista à agência Lusa a propósito dos voos de repatriamento de portugueses e brasileiros que se encontram retidos no Brasil ou em Portugal por causa da suspensão das ligações aéreas entre os dois países, medida tomada pelo Governo português para conter a pandemia de Covid-19, a secretária de Estado sublinhou que “a situação continua incerta e instável”.

“Temos países que hoje estão bem e depois começam a piorar”, e quando isso acontece são tomadas “decisões unilaterais e as pessoas ficam retidas”.

Segundo Berta Nunes, no primeiro dos dois voos de repatriamento de portugueses retidos no Brasil realizados até agora, verificou-se que as pessoas viajaram por vários motivos, mas algumas “foram de férias”.

Quanto a um possível levantamento em breve da suspensão das ligações para aquele país, ou seja, a partir de dia 16, data até à qual vigora o despacho que determina a medida, a secretária de Estado considerou que ainda existem “muitos fatores a ponderar”.

A governante pede, assim, que as viagens só mesmo as necessárias. No regresso, os passageiros terão de cumprir um período de isolamento profilático de 14 dias, no domicílio ou em local indicado pelas autoridades de saúde portuguesas.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.