Segunda-feira, 5 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Armando Moreira
Armando Moreira
| MIRADOURO | Ex-presidente da Câmara Municipal de Vila Real. Colunista n'A Voz de Trás-os-Montes

O ditador russo

A Rússia já nos habituou a ter Czares,  dos quais Stalin é um exemplo.

-PUB-

Agora temos Vladimir Putin que, ainda com meios bélicos mais sofisticados, pretende ultrapassar os seus antecessores em crueldade.

Iniciou a invasão da Ucrânia com bombardeamentos à distância, sobre populações indefesas, no seu dia a dia. Chacina brutal. Não se conhecem sequer os números reais de vítimas. Muito grave foi também a destruição sistemática de prédios, escolas, hospitais e edifícios públicos. Só depois avançaram as tropas que, numa primeira fase, se destinavam a conquistar e a ocupar Kiev, a capital do país. Como se sabe, não conseguiu. Virou-se depois para outros destinos, na orla do Mar Negro, onde, com a artimanha dos “referendos”, tenta agora dizer ao mundo que aqueles territórios querem ser integrados na nação russa. Consulta pública sem o menor sentido democrático e que só pessoas de má-fé poderão aceitar como válida.

Este último discurso, que se destinava a ser ouvido pelo mundo inteiro, não trouxe nada de novo, salvo a decisão de encontrar carne para canhão, ao mobilizar mais 300 mil reservistas para apoio das Forças iniciais que devem estar esgotadas. Os analistas afirmam que a decisão de mobilizar os reservistas foi a mais arriscada que tomou para viabilizar as suas intenções de anexação dos territórios alheios. Mais, conhecendo-se como se conhece o regime autocrático e de temor reverencial que os cidadãos têm, as manifestações de desagrado, bem como a fuga de quem pode, para os países vizinhos, é bem ilustrativo da moral dos russos mobilizados para a frente do combate.

Aguardávamos que a Comunidade Internacional fosse além das sanções, no sentido de se opor a este “carniceiro”, dado que este conflito gera consequências graves em todo o mundo. A Assembleia Geral das Nações Unidas, que tem estado a decorrer em Nova Iorque, foi praticamente unânime em condenar a Rússia e os seus dirigentes pelos danos que estão a causar, tendo-se até anunciado a necessidade de rever algumas regras, no próprio Conselho de Segurança, por forma a penalizar quem infringe o Direito Internacional. Também se avançou com a necessidade do Tribunal Penal Internacional se apressar a iniciar os processos que levarão à condenação e punição dos milhares de crimes que têm sido cometidos.

Quanto à chantagem do uso de armas de destruição maciça, esperamos nós que os EUA se encarreguem de nos defender. Seria premiar o invasor se isso não fosse feito. Isto para impedir que este ditador use métodos ainda mais violentos para ficar na história.

Tenhamos esperança.

Mais Lidas

Dois carros assaltados em Vila Marim

PREMIUM

A transportar passageiros há quase 80 anos

Vila Real segue em frente na Taça AFVR

PREMIUM

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.