Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Maria Inês Cardoso
Maria Inês Cardoso
Médica Nutricionista

Qual o papel da nutrição na fertilidade?

A infertilidade, definida pela incapacidade em engravidar após um ano de relações sexuais sem qualquer método contracetivo, afeta cerca de 80 milhões de casais a nível mundial.

-PUB-

Os hábitos alimentares inadequados, o excesso/baixo peso, a desregulação do sono, o stress, a exposição a toxinas ambientais e a idade materna mais avançada, bem como patologias como a Síndrome de Ovário Poliquístico ou a Endometriose, são alguns dos motivos pelos quais a subfertilidade será cada vez mais frequente.

Começando pelo nutriente mais abordado quando se trata de 24, a ingestão de ácido fólico e a sua suplementação (na forma ativa – metilfolato), tem sido relacionada a menor subfertilidade, menor risco de perda gestacional e maior sucesso na Fertilização in vitro (FIV).

A CoQ10 é também um dos nutrientes mais importantes para o potencial fértil do casal, quer na preservação da reserva ovariana quer na saúde do espermatozoide, sendo um dos suplementos mais importantes num processo de FIV.

Já a vitamina D é essencial na adequação da foliculogénese e espermatogénese, na reserva ovariana e a sua adequação (>30ng/mL) está associada a maiores taxas de fertilização. Para além disso, é essencial na placentação e na redução do risco de diabetes gestacional e pré-eclâmpsia na gravidez.

O consumo de álcool e de cafeína pode também prejudicar a capacidade de engravidar, sobretudo se a ingestão for acima de 1-2 porções por dia, sendo importante moderar ou evitar mesmo o seu consumo.

Importa também diminuir a exposição a xenobióticos (encontrados no plástico, nos produtos de limpeza e nos alimentos com agrotóxicos) que atuam como disruptores endócrinos, sendo capazes de prejudicar a fertilidade do casal.

No caso do homem, também a suplementação com antioxidantes mas também a sua ingestão através de frutas e hortícolas variados, apresenta grande evidência.

A adesão à Dieta Mediterrânica tem sido amplamente associada a uma melhoria da fertilidade. Um aumento do consumo de frutos gordos, leguminosas, azeite, hortofrutícolas, especiarias, ervas aromáticas e cereais integrais, em detrimento das carnes vermelhas e produtos processados, constitui uma mais-valia.

Se pretende engravidar, os cuidados nutricionais devem começar pelo menos 3 meses antes das tentativas, já que esse é o período necessário para que ocorra o desenvolvimento e maturação do oócito e espermatozoide que irão dar origem ao futuro embrião.

Faça a sua marcação através dos nossos canais digitais: MY LUZ, Messenger e WhatsApp (927 529 648) ou através do telefone n.º 259 043 970.

Mais Lidas

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.