Terça-feira, 23 de Julho de 2024
No menu items!




A importância da visão e dos cuidados visuais na idade sénior

A visão, tal como todos os outros sentidos e capacidades humanas, vai sofrendo alterações com o passar dos anos. Chegando à idade sénior, e ao contrário do que se possa pensar, a visão deve ter uma qualidade, de forma a proporcionar uma perceção adequada do que nos rodeia, pois se assim não acontecer poderão surgir problemas graves relacionados com quedas, por exemplo

-PUB-

Ao longo da vida a visão pode sofrer alterações irreversíveis com doenças como o glaucoma, descolamento de retina ou a degenerescência macular relacionada com a idade, sendo que,  quando diagnosticadas atempadamente, se podem minimizar os efeitos e a sua progressão. Outros problemas visuais e oculares frequentes nos idosos podem ser induzidos por alterações da saúde geral como a diabetes, a hipertensão arterial ou a doença cardiovascular. Por outro lado, a catarata ou o olho seco são alterações oculares observadas em pessoas idosas, estando ou não associadas a doenças sistémicas.

À conversa com Sónia Afonso Encarnação e Tito Encarnação, optometristas da Realvisão, percebemos que “a prevenção e o acompanhamento são essenciais”. “Com o avançar da idade começam a surgir alterações não só a nível do cristalino (onde surge a catarata), mas principalmente a nível da retina”, referem, destacando que “o diagnóstico é de maior precisão quando se avalia a retina com um exame de OCT (Tomografia de Coerência Ótica), um exame de diagnóstico disponível nos nossos consultórios. Para além do OCT, conseguimos dispor de outros exames de diagnóstico como a análise dos campos visuais por perimetria, medição da pressão ocular, topografia da córnea, entre outros”.

A retinopatia diabética (RD) é uma das manifestações da diabetes com consequências mais graves. “Segundo o Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes de 2019, que apresenta dados relativos a 2018, dos internamentos cujo diagnóstico principal é a diabetes, 83% apresentavam manifestações oftalmológicas da doença. Nestes casos, o rastreio é fundamental e a Realvisão tem capacidade para o fazer”.

Sónia Encarnação faz questão de vincar que “na Realvisão aconselhamos as melhores soluções de acordo com as necessidades visuais de quem nos procura. Temos a preocupação de prestar serviços de qualidade para que as pessoas nos vejam como uma referência no que diz respeito aos cuidados primários da visão”.

MAIS CUIDADOS

E estarão as pessoas mais preocupadas com a sua visão? Estes optometristas dizem que sim. “Cerca de 85% da informação que chega ao cérebro é pela via visual. Durante o período de pandemia, as pessoas tomaram uma maior consciência da sua dependência, das capacidades visuais para desempenharem as tarefas diárias, pois o sentido da visão foi exposto a grandes períodos de esforço, surgindo algumas debilidades e dificuldades visuais”.

“A nossa preocupação enquanto profissionais da saúde visual é transmitir às pessoas que temos um conjunto de soluções que podem ir ao encontro dos seus problemas visuais, com a finalidade de os corrigir e proporcionar uma visão melhor e mais confortável”, refere Tito Encarnação, acrescentando que “o optometrista deteta e compensa os problemas de visão de origem não patológica. Quando nos deparamos com alterações da saúde ocular, encaminhamos para o profissional de saúde com competências para a sua resolução”.

PREVENÇÃO É PALAVRA CHAVE

A mais recente aposta da Realvisão é o controlo da miopia em crianças e adolescentes. Estudos recentes estimam que em 2050 cerca de 50% da população mundial seja míope, daí que seja importante “prevenir desde a infância”.

“As pessoas que desenvolvam miopia acima das seis dioptrias têm, aos 75 anos, um risco 21 vezes superior de ter um descolamento de retina e um risco 40 vezes superior de ter uma maculopatia miópica, isto quando comparado com um não míope”, indica Tito Encarnação.

“Neste momento fazemos o controlo da miopia a muitos jovens e temos tido resultados encorajadores uma vez que o crescimento da miopia nestes casos praticamente não existiu”, conclui.

[adrotate group="24"]

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

[adrotate group="2"]

Mais lidas

[adrotate group="3"]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

[adrotate group="5"]