Quarta-feira, 29 de Maio de 2024
No menu items!

Agricultores continuam sem receber subsídios prometidos

Após as promessas de pagamento dos subsídios em atraso aos agricultores, que deveriam ter acontecido durante o mês de março, as verbas não chegaram aos agricultores.

-PUB-

Na sequência de protestos na região, alguns que encerraram mesmo estradas, a anterior ministra da Agricultura veio à região prometer que 25% dos pagamentos em atrasos seriam pagos no mês passado, tendo sido assegurados 60 milhões de euros com esse fim.

No entanto, o Governo saiu e os pagamentos ficaram por fazer e nem há perspetiva de quando serão realizados, até porque os agricultores têm de voltar a candidatar-se a apoios. “A ministra quando estava em funções decidiu alterar as regras do jogo e, segundo o IFAP, para ser concluído o pagamento que falta, que já estava em atraso, terá de fazer uma nova candidatura com o Pedido Único de 2024”, que se realiza até ao final de maio, explicou Ana Rita Bivar, do Movimento Cívico de Agricultores.

A agricultora de Freixo de Espada à Cinta acusa a anterior responsável da tutela de, “mais uma vez, faltar à palavra” e considera esta situação “completamente inadmissível”, por pedir para se fazer “uma segunda candidatura, quando já foi feita uma candidatura”. “O problema foi que não nos pagaram, quem está em falta é o ministério”. Segundo a integrante deste movimento espontâneo de agricultores, há mesmo produtores que “não receberam nada”.

Mesmo fazendo a candidatura, teme que não haja garantias de que todos os agricultores recebam pelas medidas de agricultura biológica. “Caso não sejam adicionados os 60 milhões extra para cobrir os cortes feitos, é muito pouco provável que todos venham a receber, vai ser uma roleta russa”, afirma. O pagamento pode assim passar para junho ou julho, mas com a mudança de Governo pode ser mais tarde.

NOVAS AÇÕES

Devido a este e outros problemas do setor, o movimento promete “voltar ao terreno” com ações de sensibilização à população, devido ao baixo preço dos produtos, “mas também com novas ações de protesto, se for necessário”. “Vamos continuar a dar provas de vida do movimento”. Antes de avançar com esse passo, vão marcar audiências com a tutela para discutir as dificuldades da agricultura e formular um caderno reivindicativo, com o contributo de agricultores de todo o país. “Estamos abertos a ouvir o novo ministro e perceber qual a ideia dele para a agricultura, se vai dar continuidade à política”. Sobre a escolha de José Manuel Fernandes para tutelar o setor, não tem uma posição definida.

“Resta saber se os contactos como eurodeputado vão ser a favor ou contra os agricultores”, identificando alguns “pontos preocupantes no currículo”, como ter feito parte da delegação do Mercosul, acordo contestado pelos agricultores europeus.[/block]

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS