Segunda-feira, 28 de Novembro de 2022

Anulada demolição de prédio em Mirandela

A Câmara de Mirandela reverteu a decisão que mandava demolir um prédio de 23 andares, conseguindo a legalização do imóvel com a antecipação da entrada em vigor do novo Plano Diretor Municipal (PDM), informou hoje o vice-presidente.

-PUB-

Orlando Pires explicou à Lusa que este município do distrito de Bragança encontrou, em conjunto com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), a solução para legalizar o prédio construído há 24 anos e cujo licenciamento foi considero nulo pelo tribunal.

O autarca esclareceu que a forma legal encontrada foi suspender, em algumas zonas já consolidadas da cidade de Mirandela, o atual Plano Diretor Municipal (PDM) e aplicar já o novo, que entrará em vigor no próximo ano, em 2023, segundo disse.

Esta possibilidade legal, acrescentou, é adotada “com a condição de que o novo PDM se aplique a todo o concelho de Mirandela no prazo máximo de dois anos, com um ano de prorrogação de prazo”.

“A Câmara Municipal deliberou nesse sentido e também sobre a não necessidade de os moradores terem de ir ao processo juntar mais peças. Portanto, são duas boas notícias para os moradores: o prédio está legalizado e não têm que fazer mais nada”, afirmou Orlando Pires.

A solução encontrada com a CCDR-N surge depois de, em abril, a autarquia ter ordenado demolir o chamado “Prédio do Canal” na sequência de uma decisão judicial que a obrigava a decidir sobre a viabilidade do licenciamento do edifício.

A decisão do município foi mandar demolir o prédio por, naquela data, ainda não existirem os instrumentos legais que permitissem o licenciamento, apesar de estar em revisão o Plano Direto Municipal (PDM), que o irá autorizar.

O edifício foi construído em 1998, com a aprovação dos projetos de infraestruturas e de construção, assim como a emissão do alvará de licenciamento por parte da Câmara Municipal, então liderada pelo PSD.

Um ano depois, o proprietário de uma casa contígua apresentou uma queixa em tribunal por ter ficado sem vistas e argumentando a ilegalidade da construção.

A justiça deu-lhe razão, declarando nulo o licenciamento e ordenando a demolição do prédio, em 2013.

O município contestou, alegando que, entretanto, o Plano Diretor Municipal (PDM) e a Carta da Reserva Ecológica Nacional (REN) tinham sido revistos e que o edifício se encontrava fora da área de zona de reserva da albufeira, no caso do rio Tua.

O Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto ordena então à Câmara de Mirandela, em abril deste ano, que avalie se existe ou não a possibilidade de legalizar o edifício, e, em caso negativo, “daí extrair as respetivas consequências”.

O município, agora presidido pelo PS, concluiu que não havia base legal para legalizar o prédio, por este ter seis andares numa zona onde o PDM em vigor só permite construção com quatro pisos.

A aplicação antecipada do novo PDM à área onde se encontro o prédio e outras zonas da cidade permitiu agora sanar o problema com a legalização do prédio com 23 apartamentos e duas lojas.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.