Domingo, 17 de Outubro de 2021
© Arquivo VTM

Castelo de Montalegre recebeu cerca de 20 mil visitantes entre julho e setembro

O cartão de visita da vila barrosã assinala a marca no Dia Nacional dos Castelos, que hoje se celebra um pouco por todo o país

-PUB-

O castelo de Montalegre, classificado como Monumento Nacional, recebeu perto de 20 mil pessoas entre julho e setembro deste ano. Segundo nota da autarquia local, esta é “uma estatística que comprova a importância da “sala de visitas” do município, exemplo de atratividade e beleza cultural”.

De referir que “desde a reabertura ao público, o castelo tem apresentado uma procura crescente e um elogio unânime por parte dos turistas” que o visitam. O castelo de Montalegre representava, no século XIII, um importante ponto de defesa fronteiriço medieval e assegurava, juntamente com os castelos da Piconha e de Chaves, as defesas dos vales do Cávado e do Tâmega.

Em 1273, ano da concessão do primeiro foral a Montalegre por Dom Afonso III, o castelo ainda não existia, mas em 1281, pelo menos uma parte dele já se erguia em Montalegre, segundo uma carta de D. Dinis a D. Isabel. Em 1289-1331, no reinado de D. Afonso IV, o castelo é reedificado. Já no século XIX foi colocado o relógio circular no cubelo maior, passando a ser designado por torre do relógio.

Ao longo do século XX, o castelo foi alvo de diversas obras, ações de recuperação e valorização. No seguimento de uma intervenção da Câmara Municipal, em 1990, ali foi instalado um núcleo museológico.

O castelo de Montalegre tem vistas para as serras do Gerês e do Larouco, bem como para o rio Cávado. Além dos passeios entre muralhas, a fortaleza é composta por um passadiço exterior, um jardim, uma capela e uma torre. Pode ser visitado de terça a domingo, das 10h às 13h e das 14h às 18h. A entrada é gratuita.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.