Terça-feira, 21 de Maio de 2024
No menu items!

“Estamos a entrar em colapso”: funcionários judiciais em greve até sexta-feira

A greve, que está marcada desde janeiro, começa esta quarta-feira e prolonga-se até à próxima sexta-feira, dia 26, aproveitando o feriado do 25 de abril. A coordenadora do Sindicato dos funcionários judiciais da Comarca de Vila Real explica que "esta luta já é longa".

-PUB-

Celeste Carneiro revela que, “da reunião que os Sindicatos tiveram com a atual ministra, não houve nada de novo”, relembrando que foi o ministro das Finanças do governo anterior que apresentou a proposta das revindicações dos funcionários judiciais.

Na reunião, acrescenta a coordenadora, a ministra “limitou-se a dizer que não conhecia as reivindicações e que ia estudar”, para depois convocar as reuniões com os sindicatos. Mas os representantes dos funcionários judiciais acharam essa atitude “um desleixo”.

A responsável explica que os pedidos dos funcionários passam pela inserção de um suplemento no vencimento pago em 14 meses (em vez dos 11 atuais), pedido há já 20 anos, e que “já foi aprovado em três orçamentos de Estado, mas nunca aplicado”. “A mais grave”, argumenta, é “a integração de funcionários porque estamos a entrar em colapso, em especial nas secções do Ministério Público”. Celeste Carneiro diz que há “uma falha de 1500 funcionários a nível nacional” e que, por isso, há tribunais a fechar.

A sindicalista pede também progressões e promoções na carreira dos funcionários, uma atualização nas tabelas salariais e, “por fim, o nosso Estatuto, que nunca mais sai”. O último “foi uma aberração”, lamenta.

Celeste Carneiro explica que, “a boa vontade da ministra”, em, pelo menos, integrar o suplemento, “já apaziguava no lado de cá” [dos funcionários]. “A única coisa que ela soube dizer é que isto está um caos e que as greves estão a dar prejuízo”, lamenta.

A escolha dos dias desta greve foi também “simbólica” devido ao feriado da Revolução dos Cravos.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS