Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2024
No menu items!

“Carga fiscal continuará a aumentar em 2024”

Foi recentemente apresentada a proposta de Orçamento do Estado para 2024. Uma das bandeiras deste orçamento é a redução do IRS, face ao ano anterior.

-PUB-

A proposta prevê a descida do imposto através da subida dos nove patamares de rendimento e da descida das taxas até ao quinto escalão. Consequentemente, a receita do Estado com o IRS irá baixar 0,4% face a 2023 (cerca de 76 milhões €).

No entanto, haverá um aumento muito significativo dos restantes impostos. A receita fiscal, excluindo o IRS, irá crescer 7,2% em 2024 (mais 2,8 mil milhões € face a 2023). Os aumentos mais significativos verificam-se no IABA – Imposto sobre o álcool, as bebidas alcoólicas e as bebidas adicionadas de açúcar ou outros edulcorantes (+37%), no IUC – Imposto Único de Circulação (+20%), no IT – Imposto sobre o tabaco (+15%) e no ISP – Imposto sobre os produtos petrolíferos (+13%).

Em termos globais, a receita fiscal do Estado irá crescer 4,8% em 2024. Trata-se de um crescimento que, novamente, fica bastante acima da taxa de inflação estimada pelo governo para o próximo ano (2,9%). Ficará também acima do crescimento previsto da economia portuguesa, já que o PIB irá crescer 1,5% no mesmo período, em termos reais.

Este aumento da receita fiscal resultará, uma vez mais, num recorde da carga fiscal. Recuemos ao início do século. Em 2000, a carga fiscal representava 30,9% do PIB, tendo aumentado significativamente durante a intervenção da Troika (34% em 2013). No pós-troika, não houve um alívio fiscal, mantendo-se o mesmo nível de carga fiscal, ou até ligeiramente superior, até 2019 (34,5% nesse ano). Desde aí, a carga fiscal tem crescido rapidamente e atingido recordes todos os anos, até aos 36,4% que se verificaram em 2022.

Ficamos agora a conhecer as estimativas para este ano (37,2%) e para o próximo, 2024, que atingirá 38%, mais 7,1 pontos percentuais do que em 2000, ainda que a meta do governo seja de 37,4% (que seria igualmente um recorde). Ou seja, a trajetória da carga fiscal continuará a ser crescente, apesar da economia e dos rendimentos das famílias apresentarem uma evolução mais modesta.

 

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.