Quarta-feira, 24 de Abril de 2024
No menu items!

Papa Francisco condena a guerra e o uso de alimentos como arma nos conflitos

Na mensagem de Natal, ao fim desta manhã, no Vaticano, o Papa Francisco apelou ao fim da Guerra na Ucrânia evocando outros conflitos

-PUB-

O Papa Francisco condenou, hoje, no Vaticano, “os ventos de guerra” que “continuam a soprar, gelados, sobre a humanidade”, evocando em particular o conflito na Ucrânia e o impacto nas populações mais pobres do mundo.

“Que o nosso olhar se encha com os rostos dos irmãos e irmãs ucranianos que vivem este Natal na escuridão, ao frio ou longe das suas casas, devido à destruição causada por dez meses de guerra”, afirmou, na sua mensagem de Natal.

Num apelo ao fim do conflito, acrescentou “que o senhor ilumine as mentes de quantos têm o poder de fazer calar as armas e pôr termo imediato a esta guerra insensata”.

O Papa lembrou que a guerra na Ucrânia “agravou ainda mais a situação”, deixando várias populações em risco de carestia, especialmente no Afeganistão e nos países do Chifre de África. “Toda a guerra provoca fome e serve-se do próprio alimento como arma, ao impedir a sua distribuição às populações já atribuladas”, afirmou, exortando a que neste dia “o empenho de todos – a começar pelos que têm responsabilidades políticas – para que o alimento seja só instrumento de paz”.

Antes da bênção ‘Urbi et Orbi’, a partir da varanda da Basílica de São Pedro, falou ainda de outras guerras como na Síria, na Palestina e Israel.

“Pensamos na Síria, ainda martirizada por um conflito que passou para segundo plano, mas não terminou; e pensamos na Terra Santa, onde nos últimos meses aumentaram as violências e os confrontos, com mortos e feridos. Supliquemos ao Senhor para que lá, na terra que o viu nascer, retomem o diálogo e a aposta na confiança mútua entre israelitas e palestinianos”, afirmou.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.