Quarta-feira, 14 de Abril de 2021
Vitor Pimentel
Empresário. Colunista de A Voz de Trás-os-Montes

A hora da verdade

O Partido Socialista é maioritário nos municípios do distrito de Vila Real desde setembro de 2013

Em ano de eleições autárquicas, é indispensável perceber qual é o legado que nos deixa quem está no poder e fazer balanços.

O Partido Socialista é maioritário nos municípios do distrito de Vila Real desde setembro de 2013, está no governo desde os finais de 2015 e lidera o concelho desde 2017.

Ou seja, quer a nível nacional, quer a nível local, estão entregues ao PS as responsabilidades de liderar um projeto de desenvolvimento para o distrito e para a maioria dos seus municípios.

Qual é esse projeto? Ninguém sabe, pois para além de pacotes de medidas desgarradas e mal executadas subordinadas ao tema da coesão territorial, pouco ou nada foi feito.

O que sabemos são os efeitos de decisões incoerentes, não planeadas e irrefletidas, mas recheadas de pompa e circunstância, para enganar os mais distraídos e alguns incautos.
Assim, deixo um conjunto de exemplos sobre questões essenciais para a evolução do interior e do distrito em particular, sujeitas à negligência governativa socialista.

No caso demográfico, as parcas políticas de família não têm impedido a diminuição populacional através da desertificação e o despovoamento ou o inverno demográfico.

No setor social, abunda o preconceito ideológico, o tratamento desigual, as políticas que não promovem a emancipação do indivíduo e a mobilidade social.

Na saúde, as infraestruturas e serviços existentes não respondem às necessidades, com uma excessiva rotação de médicos de família, falta de especialistas e equipamentos obsoletos.

Na educação, a inexistência do ensino dual faz com que o ensino profissional ignore as exigências do mercado de trabalho, não qualificando, nem atribuindo competências adequadas e indispensáveis aos jovens.

No ensino superior, a UTAD continua à deriva, faltando um projeto unificador que envolva todo o território de implantação. Falta cumprir a ambição de uma universidade de excelência.

Nos transportes, a inexistência de alternativas de mobilidade e a chaga das portagens e das sobretaxas nos combustíveis retira rendimentos às famílias e competitividade às empresas.

A nível económico, a carência de incentivos fiscais e outros que promovam a captação de investimento privado e estrangeiro e de trabalhadores qualificados, por forma a fazer crescer a região.

Ao fim deste tempo de governação local e nacional do Partido Socialista, em simultâneo, a consequência das políticas seguidas aprofundou a situação grave que vem reduzindo as perspetivas de futuro.

Nas próximas eleições autárquicas, urge quebrar o ciclo regressivo que o PS teima em não resolver.

Mais Lidas | opinião

A nova face de Vila Real

Cuidado onde pisam

Proteger o que é nosso!

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.