Quinta-feira, 29 de Julho de 2021
Carlos Moreira
Vereador do PSD na Câmara de Vila Real

Reflexões

A propósito da nova concessão de estacionamento, não posso deixar de expressar aqui a minha opinião, sobre o que penso ser uma decisão insistentemente errada e por várias razões.

-PUB-

Em primeiro lugar, porque o novo parque previsto para o Seminário tem uma capacidade limitada, que não colmata o número de lugares de estacionamento eliminados em várias artérias da cidade, como contrapartida para financiamento das obras do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU). Depois porque implica/força a aquisição de um terreno para o qual se diz que já há acordo, mas que não se conhece exatamente, nem quanto vai custar.

Por outro lado, mesmo ali ao lado, a Câmara Municipal de Vila Real possui um Mercado Municipal a necessitar urgentemente de reabilitação. Como defendo desde há muito tempo, seria uma boa oportunidade e um bom investimento, uma intervenção no mercado e arruamentos circundantes.

Permitiria criar um parque de estacionamento com o triplo dos lugares que vão estar disponíveis no novo parque do Seminário e permitiria também a criação de um mercado moderno adaptado às novas necessidades, com melhores condições para todos os utilizadores: agricultores, comerciantes e público em geral.

Ao contrário do que tem sido dito, esta intervenção que defendo, permitiria ainda a manutenção das atividades do Mercado durante o período das obras, uma vez que era perfeitamente possível a construção em duas fases, com poucas implicações na vida das pessoas.

A intervenção que defendo deveria criar também espaços próprios para os lojistas, para cargas e descargas no interior, libertando e ordenando os arruamentos circundantes e acabando com a circulação do trânsito de forma caótica, que tantas vezes acontece.

Pela estimativa que fiz, o custo da obra seria de cerca de  9 000 000 euros. O custo apontado para a construção do novo parque no Seminário é de
3 600 000 euros, o custo apontado para a aquisição do terreno é de 600 000 euros, a actual intervenção no mercado está estimada em 1 100 000 euros, e outras intervenções à margem desta, em cerca de 200 000 euros, que perfazem a “módica” quantia de 5 500 000 euros.

Fazer este investimento, mais o que vai custar a intervenção nas ruas Gonçalo Cristóvão, de Santa Sofia e parte das ruas D. Pedro de Castro e Dona Margarida Chaves ou investir 9 000 000 euros numa infraestrutura moderna com todas as condições de utilização, com o triplo dos lugares disponíveis, penso que não deveria levantar dúvidas a ninguém que ponha Vila Real em primeiro lugar.

Propor-se adquirir o terreno do Seminário por 600 000 euros, um espaço nobre que podia ser muito melhor valorizado, e fazê-lo de uma forma humilhante, disfarçada de grande oportunidade de negócio, só demonstra a falta de respeito pelas Instituições, ainda que às vezes bem disfarçada e embrulhada em embalagem de veludo.

Mas a nova concessão levanta ainda novas e preocupantes questões.

Deve ser esclarecido com clareza, que os 308 novos lugares criados à superfície não são novos lugares, são lugares já existentes que passam a ser tarifados.

Este aumento brutal dos arruamentos da cidade que passam a ter estacionamento tarifado, vem acrescentar naturalmente dificuldades aos moradores, uma vez que abrange essencialmente arruamentos com pouco comércio ou serviços.

Este aumento do parqueamento tarifado de superfície, aliado à hipoteca do parque da Avenida Carvalho Araújo e do parque do Seixo, propriedades da câmara municipal, por um período inconcebível de 30 anos, ao contrário de que se tenta fazer crer, é uma gestão ruinosa dos recursos, pelo menos para a CMVR, com a qual não concordo e para o que alerto.■

Mais Lidas | opinião

Residência alternada

No rumo incerto

CPLP: Para que a queremos?

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.