Quinta-feira, 5 de Agosto de 2021

Ernesto Areias

Advogado. Colunista de A Voz de Trás-os-Montes
61 Artigos de opinião

Maio pardo

Passaram 60 anos, o mundo transformou-se, exceto, para o comum dos emigrantes que são hoje recebidos em condições piores do que naquela altura.

Dia Mundial do Livro

Os livros fazem-nos sentir grandes e pequenos, informam, formam e convocam o nosso sentido de análise crítica

Cais das lágrimas

No dia 21 de abril cumpriram-se 60 anos da partida do primeiro grande contingente militar de Lisboa para Angola

Abrilada, tentativa de golpe palaciano

O início da guerra em Angola a 15 de março de 1961 e a violência dos confrontos, deixou o regime paralisado e indeciso.

45 anos da Constituição da República

Apesar de Portugal ter melhorado, os desafios são grandes

Deus e a fé não se googlam

Depois de ouvir, pela primeira vez, o papa Francisco, ocorreu-me que arriscaria vir a ser dos grandes papas da Igreja ou um demagogo sul-americano.

Meter água na água (I)

O aumento da população, a emergência das megacidades, a industrialização, a agricultura intensiva e a pecuária contribuem para o consumo de água em todo mundo

Salazar: 60 anos do início da guerra em Angola (VI)

Entre 15 de novembro de 1884 e 15 de fevereiro do ano de 1885, decorreu a conferência de Berlim por iniciativa da França e da Grã Bretanha, cabendo a organização ao chanceler Bismark; no evento estiveram catorze países, entre eles Portugal.

Salazar: 60 anos do início da guerra em Angola (V)

O ano de 1961 assinala o recrudescer dos anos de chumbo do Estado Novo.

Coesão ou desastre territorial – (II) Agricultura intensiva

O Alqueva e outros sistemas de regadio trouxeram consigo a agricultura intensiva que ocupa grandes extensões de terra, sobretudo no Ribatejo e Alentejo.

Coesão ou desastre territorial (I)

Um dos mais pungentes tem a ver com a coesão territorial. Falo, obviamente, do desenvolvimento do Interior, vítima de organização administrativa fragmentada, traído pelo Estado teimosamente...

Vacinas: entre a distribuição a cartelização?

É público que as multinacionais produtoras das vacinas da Covid-19, não estão a cumprir os contratos de fornecimento com a UE, depois de receberem milhões em dinheiros públicos para a investigação.