Sábado, 22 de Janeiro de 2022

António Martinho

VISTO DO MARÃO Ex-Governador Civil, Ex-Deputado, Presidente da Assembleia da Freguesia de Vila Real. Colunista n'A Voz de Trás-os-Montes
206 Artigos de opinião

A era do nós ou do eu?

Quando há dias vi a televisão noticiar que uma investigadora da Universidade do Algarve fora contemplada com uma prestigiada bolsa do Conselho Europeu de Investigação, fiquei curioso em saber um pouco mais do objeto da investigação.

Um ano de contrastes

Passou no passado dia 27 o 1º aniversário sobre o início da vacinação em Portugal contra a Covid-19. Todos recordamos a esperança que isso nos trouxe”

A Mátria a afirmar o património cultural de Trás-os-Montes e Alto Douro

Como muito bem afirma Eduarda Freitas na página do Facebook da Mátria, a ideia de criar uma ópera com base nos Contos e Novos Contos da Montanha de Miguel Torga surge como uma das ações da candidatura da UTAD ao EEC PROVERE Douro-Região Vinhateira, que foi apelidada de “Douro Valor - Valorização e Promoção Económica, Cultural e Social de Património Imaterial do Alto Douro Vinhateiro”.

Vinte anos de Douro com menos pessoas

Na apresentação das comemorações dos 20 anos da classificação do Alto Douro Vinhateiro (ADV) como Património da Humanidade os números não enganam.

Eleições antecipadas – desafios renovados

É próprio da democracia. Quando necessário, dá-se voz ao povo que é quem, no sistema democrático, detém a soberania.

E a corda partiu mesmo

Se as crises políticas são sempre dispensáveis, a que agora se vive, na sequência da rejeição do Orçamento de Estado por uma maioria espúria que se constituiu na Assembleia da República, ainda o é mais.

Quando a manta não é grande

Ocorreu-me por estes dias em que se tem falado muito do Orçamento do Estado (OE) (...)

Em eleições democráticas não há favas contadas

Apesar de quase todos – partidos políticos e grupos de cidadãos - se considerarem vitoriosos na noite do dia 26 de setembro, é um facto que muitas de expectativas ficaram defraudadas.

“A solidariedade não é facultativa”

Numa tarde de sexta-feira, 1997 ou 98, como era habitual, fiz o check in no balcão da Portugália com destino ao Porto.

Os netos, ou um regresso imperfeito

Ou… Pum. As pernas pareciam molas bem oleadas. Aquelas, ainda não tinham caruncho, pensei com os meus botões, a quem as idas ao ginásio parecem estar já a fazer falta.

Mais um projeto parado

O desempenho de funções públicas e as “raízes” levaram-me a acompanhar com bastante atenção o projeto do Vale do Tua e os vários aspetos das contrapartidas relativas ao Aproveitamento Hidroelétrico de Foz-Tua.