Domingo, 2 de Outubro de 2022

Adérito Silveira

Maestro do Coral da Cidade de Vila Real. Colunista n'A Voz de Trás-os-Montes
192 Artigo(s) de opinião

Os nossos professores devem ser respeitados

A vida de um professor é ingrata, por vezes humilhante.

Maria de Fátima Gomes de Matos, uma enfermeira que nos deixa

Quando um amigo parte na distância da eternidade, ficamos feridos, julgamos mesmo que partimos também.

A tragédia dos incêndios

Os fogos têm sido, este ano, devastadores, sobretudo no distrito de Vila Real. Populações impotentes para debelarem tamanha tragédia.

Bandas de Mateus e Lira Nossa Senhora da Estrela

Esta coisa maravilhosa e que tão facilmente nos toca, é certamente a música.

Coral da Cidade de Vila Real no Arquivo Municipal – encerramento de atividades

Lugar aprazível em noite serena e convidativa para desfrutar da contemplação do espírito através da harmonia dos sons…

O Volkswagen de Monsenhor Miranda

A pressão era grande para a compra de um carro. Minha mãe implorava: “meu filho, tens de comprar um carro. Assim evitas de te levantar tão cedo para ires de camioneta dar aulas a Vila Pouca”.

Cantora desafinada

Nem todos podemos cantar bem…mas há limites. No coro da aldeia o professor consumia-se com a cantora.

A freira Isabel

Todos os dias as conversas eram as mesmas, conversas sobre dinheiro, dívidas que afligiam, homens e mulheres. Antigamente aos sábados à noite, uma família da minha terra reunia-se invariavelmente. Tinha sofás velhos dados por uma tia rica a viver no Brasil. Os fedelhos cruzavam as mãos sobre o ventre e fungavam.

Vaidades no facebook

Todos os dias há espetáculo, a todas as horas chovem notícias, fotografias em catadupa nas redes sociais.

Palradores de café

Na mesa ao lado um palrador fala em estribilhos fanfarrónicos, a ânsia de expelir palavras domina todas as suas emoções.

Cafés com televisão? Não e não

Entrei há dias num café para um encontro com um amigo que há muito não o via.

Temos de reconstruir o futuro

Ao longo dos tempos fui semeando ilusões a mim próprio de que o mundo era perfeito pela tolerância do ser humano…enganei-me.